doe sangue novembro


Fiocruz Rondônia identifica subvariantes da
Ômicron no Estado

Fiocruz Rondônia

Foram identificadas duas subvariantes da linhagem Ômicron, BE.9 (BA.5.3.1) e BQ.1.1
circulantes no município de Porto Velho, detectadas através de sequenciamento realizado no
Laboratório de Virologia Molecular da Fiocruz Rondônia.

Os resultados do sequenciamento foram informados, no início dessa semana, às secretarias de
saúde municipal e estadual.

As coletas foram realizadas nos dias 16 e 17 de novembro pela Fiocruz Rondônia, e o
sequenciamento em colaboração com a Rede de Sequenciamento SEQV Brasil.

LEIA MAIS

Menino de 10 anos, que estava desaparecido, é encontrado morto em mata

Professor de 27 anos morre após ter casa atingida por raio

Rondônia: PF desarticula um dos maiores esquemas de tráfico, e sequestra 25 carros e 4 imóveis

Prefeitura é condenada a indenizar família em R$ 100 mil por falha médica que levou a morte de paciente em RO

Os dois casos da subvariante BE.9 identificados são de um indivíduo do sexo feminino com 25
anos, que possui 2 doses da vacina (sem doses de reforço) e comorbidade respiratória. Os
sintomas relatados foram dor de cabeça, febre, dor de garganta e dificuldade para respirar.

O outro caso trata-se de um indivíduo do sexo masculino com 34 anos, com 4 doses da vacina e
sem comorbidades. Segundo ele, durante a infecção apresentou apenas sintomas leves como
Coriza e tosse.

A subvariante BQ.1.1 foi identificada em um indivíduo do sexo Masculino com 45 anos de idade
com quarta dose da vacina, apresentando sintomatologia leve. Ambas (BE.9 e BQ.1.1) foram
identificadas recentemente pela Fiocruz no Estado do Amazonas, além de serem detectadas em
outros estados do país.

A detecção dessas subvariantes em Rondônia traz um alerta para a importância da vacinação
em todas as faixas etárias e grupos preconizados pelas autoridades sanitárias, para que não
ocorra um aumento de casos graves e hospitalizações, “uma vez que a imunização é a melhor
forma de prevenção contra a doença e também contra as formas mais severas do vírus, sendo
possível continuarmos com esse trabalho de vigilância genômica como forma de intervir frente
ao aumento do número de casos” pontuou Deusilene Vieira, pesquisadora chefe do Laboratório
de Virologia Molecular da Fiocruz Rondônia.

Fonte: fiocruz rondonia