PREVENÇÃO E COMBATE (COMPLEMENTAR) novembro

doe sangue novembro


Estudante de Odontologia alega que matou ex-namorada por estar “cego de ciúmes”

Conteúdo exclusivo para assinantes das notificações.


Clique em ACEITAR e depois em PERMITIR que a noticia será liberada automaticamente.
Você também pode aguardar segundos ou clicar aqui para leberar a noticia.

Em depoimento nesta quinta-feira (17) à equipe da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa de Cuiabá, Giovani Eduardo Aniceto de Araújo, autor do feminicídio que vitimou Dennilla Cris Dantas Barbosa, 19 anos, ocorrido em Araputanga no dia 16 de junho, deu detalhes de como cometeu o crime e admitiu que matou a garota por ciúmes.

O estudante de odontologia de 24 anos, natural de Fortaleza (CE), foi preso por uma equipe da DHPP, que realizou diligências em apoio à Delegacia da Polícia Civil em Araputanga. Ele foi localizado nas dependências de um centro de comércio popular, no bairro do Porto, em Cuiabá, na manhã desta quinta-feira, onde fazia compras logo depois de ter cortado o cabelo.

LEIA TAMBÉM

Comerciante de Cacoal morre por complicações da Covid-19

Rondônia: Três suspeitos de executar e arrancar a cabeça de homem é preso pelo SEVIC

Caminhonete ocupada por família que voltava de culto evangélico capota na BR-364

Dentista rondoniense é pioneira em criação de protocolo para clareamento com zero sensibilidade

“Só se vive uma vez”, diz idoso ao ser flagrado namorando no matinho em plena luz do dia; veja vídeo

Vídeos mostram casal fazendo love em caminhonete perto de viaturas da PM

No dia errado e na hora errada: motociclista é esmagado após árvore cair em cima da cabeça dele; veja vídeo

Jovem perde parte do intestino após “desafio do piercing” no TikTok

No local, ele também comercializou em uma das bancas do centro comercial, o notebook que havia dado de presente à vítima na ocasião do relacionamento entre ambos e que levou dela após cometer o crime.

Durante depoimento na sede da DHPP, na Capital, ao delegado Caio Fernando Albuquerque, o estudante confessou o crime e disse que em razão do término do relacionamento com a vítima e querendo entender o motivo e conversar com Dennila, ele resolveu vir a Mato Grosso. Ele estava em Araputanga desde a segunda-feira, mas disse que somente na quarta-feira é que ‘tomou coragem’ de procurá-la. Antes porém, foi até um supermercado da cidade, onde fez compras, inclusive de uma faca, a que usou para cometer o crime. Ele alegou que tinha o “costume” de andar com uma faca à noite, para sua defesa.

Ainda em depoimento, o autor do crime relatou que a vítima não o esperava e após ambos conversarem “normalmente”, ele aproveitou-se do instante em que ela foi ao banheiro e olhou o computador da vítima, onde afirma ter visto conversas de Dennila com outra pessoa. Nesse momento, ele afirmou ao delegado que ficou ‘cego’ e atacou a vítima. Em seguida, se lavou, mas deixou a residência com sangue nas vestes e no próprio corpo. Ele alega que levou o computador para que continuasse a leitura das mensagens.

Após o procedimento na DHPP, o estudante foi autuado em flagrante por homicídio qualificado por motivo fútil, emprego de meio cruel, recurso que impossibilitou a defesa e por ser praticado contra mulher em situação de violência doméstica, caraterizando feminicídio. O delegado representou à Justiça pela conversão do flagrante em prisão preventiva.

Ele será recambiado para Araputanga e ouvido no inquérito instaurado pela Polícia Civil no município.

Crime

Dennila foi encontrada pela mãe no chão do quarto de sua residência, no centro de Araputanga, na quarta-feira. O corpo apresentava golpes causados por objeto cortante na região do pescoço e no braço direito. Uma faca foi encontrada na mão direita da vítima, além de uma carta que teria sido escrita no computador dela, indicando que a garota teria cometido um possível suicídio.

De acordo com o delegado de Araputanga, Herbert Yuri Figueiredo Rezende, o estudante de odontologia cometeu o crime por não aceitar o término do relacionamento.

A Polícia Civil em Araputanga apurou que depois de cometer o crime, o estudante cearense percorreu a cidade à procura de uma corrida de mototáxi para a cidade vizinha, São José dos Quatro Marcos. No hotel em que se hospedou em Araputanga, ele apresentou um nome falso. Depois de pegar uma mototáxi até a cidade vizinha, ele fez um saque em uma agência bancária, pagou a corrida e depois foi para a rodoviária, onde pegou um ônibus para Cuiabá. A investigação da Delegacia de Araputanga iniciada ainda na tarde em que o corpo da vítima foi encontrado por sua mãe apontou que objetos pessoais da vítima haviam desaparecido da casa, como o notebook e uma mesa digital de desenho. A mãe de Dennila também reconheceu o ex-namorado da filha como o homem que havia se hospedado com nome falso no hotel da cidade.

fonte folha max

doação de sangue