PREVENÇÃO E COMBATE (COMPLEMENTAR) novembro

doe sangue novembro


Doença rara de gato pode ser fatal em humanos; saiba mais

Conteúdo exclusivo para assinantes das notificações.


Clique em ACEITAR e depois em PERMITIR que a noticia será liberada automaticamente.
Você também pode aguardar segundos ou clicar aqui para leberar a noticia.

Brasil – O Ceará registrou o primeiro caso de esporotricose autóctone em gato. A ocorrência foi notificada pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Ceará (CRMV-CE) nessa terça-feira, 17.

A doença afeta os felinos de forma progressiva, ficando mais grave à medida que o tempo passa e pode causar a morte do animal. O Conselho alerta que a doença também pode ser transmitida para seres humanos.

Esta é a primeira vez que a doença surge em gatos, com origem no próprio Estado. O acompanhamento de animais com suspeita da doença por profissionais é essencial.

“É de fundamental importância o conhecimento da enfermidade para que, em casos de sintomas parecidos, seja feito o diagnóstico e que não venhamos a ter surtos da doença no Ceará, trazendo grandes prejuízos tanto a felinos, quantos a seres humanos”, declarou o Presidente do CRMV-CE, Dr. Francisco Atualpa Soares.

Esporotricose felina

Em gatos, a doença que se origina de fungos provoca feridas profundas na pele, avermelhadas e com secreções purulentas. Pode aparentar que o animal passou por briga. Porém, os nódulos que surgem não diminuem e o animal não se recupera sozinho. No geral, os gatos se arranham na face e é por isso que as lesões aparecem mais nesta região. As informações são do Conselho Regional de Medicina.

Se as feridas não forem tratadas rapidamente, elas podem evoluir para a fase linfocutânea, que é quando se desenvolvem para úlceras com secreções na pele. Por se tornarem mais profundas, podem comprometer o sistema linfático dos gatos.

De acordo com informações do CRMV-CE, nesta fase, os fungos já se espalharam por todo o corpo e podem acometer os órgãos internos, tornando mais difícil a recuperação. O animal pode ter febre, falta de apetite e emagrecimento, apatia, problemas no sistema respiratório, além de feridas em várias partes, levando-a à morte.

Fonte: Conexão Rondônia