PREVENÇÃO E COMBATE (COMPLEMENTAR) novembro

doe sangue novembro


Conheça a história do conquistador que enganou 3 mulheres e deu prejuízo de R$ 80 mil a elas; duas moram no interior de Rondônia

Conteúdo exclusivo para assinantes das notificações.


Clique em ACEITAR e depois em PERMITIR que a noticia será liberada automaticamente.
Você também pode aguardar segundos ou clicar aqui para leberar a noticia.

Uma mulher procurou a nossa equipe ontem (22) para fazer uma denúncia e alega ter sido vítima de um estelionatário em Vilhena. A mulher relata que foram depositados mais de 40 mil reais na conta desta pessoa. 

Segundo a denunciante, que fez um boletim de ocorrência na Unidade Integrada de Segurança Pública (UNISP) ela teve um relacionamento de 3 meses com o suspeito. O golpe teria ocorrido após o interesse dela em adquirir um imóvel.

“Queria financiar uma casa, foi onde ele saiu um dia e disse que tinha financiado essa casa. Mudamos para essa casa e ele pagou a mudança tudo. Como os papeis do cartório demoram, ele disse que com 30 dias aparecia os documentos da casa […] só que os documentos não apareceram e eu trabalhando recebi algumas mensagens de outra mulher que levou um golpe também, mora aqui em Vilhena, já fez todas as denúncias também”, explica.

“Nós transferimos o dinheiro todo e ele vendeu a casa da mãe dela para os meus pais. Nós transferimos o dinheiro e descobriu também que essa casa não existe. Para ela, ele disse que a casa estava alugada e para os meus pais ele vendeu. Também ia fazer o contrato agora para passar para o nome do meu pai”, ressalta.

VEJA+ Interior de Rondônia: mulher é encontrada morta jogada em terreno baldio

A denunciante expôs a imagem do suspeito, identificado como Jaime Ferreira da Silva, que teria saído de Santa Catarina para Vilhena. Aqui estaria trabalhando em uma empresa de segurança, mas que segundo a vítima também era uma mentira. “Pedi para o guarda falar comigo e veio um senhor de terno, bem vistoso, bem-educado, e falou que ele nunca apareceu ali. Ele nunca trabalhou ali. Ele nunca existiu”, afirma.

A mulher alega que foram mais de 40 mil reais de prejuízo e que o seu veículo também estava em posse do homem. “Com os meus pais, mais de 40 mil reias. Hoje eu consegui recuperar meu carro entrando em acordo com ele para devolver, está aqui vocês podem ver, mas o golpe está ai. Ele disse que vai depositar o dinheiro, temos que ter a prova que o dinheiro vai cair, mas sabe deus aonde ele está dando o golpe, em quem, para devolver esse dinheiro para pagar a minha mãe. Ele não tem trabalho”, explica.

Após as divulgações feitas em redes sociais e programas de televisão na cidade feitas pela vítima, uma mulher de Santa Catarina entrou em contato com a nossa equipe e afirma que também foi vítima de Jaime, tem até uma medida protetiva contra ele.

“As pessoas aqui quando descobriram, tinham parentes meus que já sabiam, através de outras pessoas que ele tinha essa passagem pela polícia, mas infelizmente pra mim ninguém falou nada. Eu vivi com esse bandido dentro de casa durante seis meses, sustentando ele. Ele dizendo pra mim que estava pagando água e luz. Que estava sendo descontado no banco, quando eue voltei de Rondônia, ele disse que tinha os documentos encima do guarda-roupa e que era para pegar esses documentos e enviar para ele. Em cima estava os talões de água e luz que ele não tinha pago, não foi cortado por um milagre e também devido a pandemia. Prejuízo foi grande, um total de 22 mil reias”, explica.

VEJA+ Homem bebe demais, é levado para matagal e acorda sem o pênis

Os dois chegaram a dar entrada no casamento, mas ela desistiu. “Chegamos da entrada no casamento no civil era para ser no dia 21 de novembro. Foi tudo muito rápido, nós saímos daqui (Santa Catarina) como uma família normal e feliz viajando e quando chegou aí (Vilhena) ele veio com história que não iria mais voltar”, ressaltou.

A mulher disse estar de alma lavada após a exposição do suspeito. “Eu disse que eu ia provar minha inocência, que eu era vítima, tanto quanto as outras mulheres que tinham sido”, encerra.

 Nós tivemos acesso ao documento que comprova a medida protetiva feito por ela.

O caso foi registrado na polícia e segue sendo investigado, tanto pela local, quanto a de Santa Catarina.

Fonte Folha do Sul On Line

Fonte: Conexão Rondônia