doe sangue novembro


‘Por um Brasil melhor’, Goiás também inicia bloqueios de rodovias federais nesta sexta

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou, na manhã desta sexta-feira (18/11), um bloqueio de caminhoneiros bolsonaristas na BR-040, em Cristalina, Goiás. O fechamento acontece no km 94 da rodovia e segundo a corporação começou ainda na madrugada. Até às 7h45, o ato acumulava cerca de 3km de congestionamento na BR-040 e 1km na BR-050.

A manifestação teve início por volta de 1h da madrugada e, segundo a corporação, trata-se de protestos de motoristas apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), que perdeu a eleição em segundo turno para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). De acordo com palavras dos manifestantes, a paralisação acontece “por um Brasil melhor”. Cerca de 15 manifestantes estão no local.

Bloqueios em rodovias

(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

Eleitores do Bolsonaro têm realizado bloqueios em várias rodovias do país desde que o candidato à reeleição saiu derrotado nas urnas do último dia 30 de outubro. Na última segunda-feira (7/11), a PRF divulgou que ainda existiam seis pontos de bloqueio ou interdição nas rodovias federais em pelo menos quatro estados. Conforme divulgado à época, desde o início das manifestações golpistas, na noite de 30 de outubro, foram desfeitos 1.040 bloqueios.

Pressão após omissão

Após a derrota de Jair Bolsonaro (PL), grupos de apoiadores organizaram bloqueios por todo o país, impedindo o transporte de cargas e o fluxo de veículos. Eles defendem a intervenção das Forças Armadas em um golpe militar para impedir que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tome posse. Com o desmonte dos bloqueios, parte dos manifestantes foi para a frente dos quartéis.

Sob pressão do Ministério Público Federal (MPF) e do Supremo Tribunal Federal (STF), a PRF passou a atuar na liberação dos pontos de bloqueio. O MPF solicitou, na semana passada, a abertura de um inquérito contra o diretor-geral da corporação, Silvinei Vasquez, por sua conduta frente aos bloqueios e sobre as operações realizadas no dia da eleição. 

Fonte: Ana Maria Pol do Correio Braziliense