EXPOPIB

queimadas


Policial baleado por filho chora em áudio e diz que menino é uma criança boa

Um áudio do sargento Benedito da Silva Araújo, baleado pelo filho no domingo (20), foi repassado à imprensa, com um depoimento emocionante sobre o garoto.

Em relato o sargento Benedito defende o filho, e diz que o mesmo é uma criança boa, sempre foi obediente e criado com muito amor. “Ele foi um pedido que eu fiz a Deus, por isso o nome Samuel”, relatou o pai.

Foi criado com muito carinho, com muito amor. Foi um pedido que eu fiz a Deus. […] Mas, esse incidente aí foi uma coisa muito dura pra gente. Isso não quer dizer que ele seja um menino mal. SARGENTO BENEDITO DA SILVA ARAÚJO Pai

LEIA MAIS

‘Cachinhos Dourados’ e amigas fazem confusão em motel após levarem calote; veja vídeo

RO – Mulher morre depois que caminhão avança preferencial e colide com moto na BR-364 

RO – Jovem estudante morre após mais de 30 dias internada

Blindadas que disputaram macho no ‘mano a mano’ são obrigadas a limpar todo o lixo da festa; veja vídeo

Por falta de funerária na cidade, mãe carrega filho morto no colo; veja vídeo

vacina em dia

Segundo o policial, que está internado no Hospital de Trauma em Campina Grande, após ter saído baleado da tragédia, o acontecido foi uma coisa muito dura para eles, mas não significa dizer que o adolescente seja um menino mal.

“Eu não quero que fique preso não, merece viver em liberdade tem que ficar em liberdade”, disse o sargento.

O policial ainda culpou os jogos eletrônicos violentos pelo fatídico acontecimento e termina sua fala dizendo que quer ficar bom para voltar a cuidar do filho que o ama demais.

PAI CULPA AMIGOS E JOGOS POR FATOS OCORRIDOS COM FILHO
Ainda em áudio, o pai do garoto relatou ter motivações para acreditar que jogos eletrônicos, séries e comentários de amigos incentivaram o filho a atirar na família. “Eu atribuo essa atitude a alguns jogos que ele estava assistindo. Free Fire, aquela série Naruto”.

O sargento disse ainda ter ouvido comentários de amigos do garoto em ir contra as ações de professores. “Eu ouvi algumas conversas de uns colegas falando em oprimir os pais, os professores. Tudo isso foi influencia. Ele é um menino bom e obediente”.

Por fim, o policial quer que o filho não fique preso pelas ações que cometeu. “Eu não quero que fique preso não, merece viver em liberdade. Tem que ficar em liberdade”.

www.g5news.com.br

+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0