DOE SANGUE

queimadas


Urina Preta: mulher morre com síndrome associada à doença; surto já infectou dezenas de pessoas

Na madrugada de ontem, na cidade de Itacoatiar, no Amazonas, uma mulher de 51 anos morreu vítima de rabdomiólise, associada à Doença de Haff, conhecida popularmente como ‘Doença da Urina Preta’.

Só no estado do Amazonas, 26 pessoas foram infectadas neste mês de agosto, sendo que esta foi a primeira morte. As autoridades estão em alerta para evitar que a situação piore ainda mais.

LEIA TAMBÉM

Interior de RO – Ambulância perde o controle, colide em barranco e deixa dois pacientes feridos

RO – Barbeiro bom de navalha corta a cabeça de assaltante durante arrastão em salão; veja vídeo

Carreta carregada de óleo de cozinha tomba na BR-364

Empresária é brutalmente assassinada pelo marido e corpo é jogado aos fundos de serraria

vacina em dia

Um fator comum entre esses pacientes é que eles contaram que chegaram a consumir peixes antes dos sintomas surgirem. Até o momento, não foi confirmada oficialmente a contaminação do pescado, mas a população já se mostra temerosa.

No caso desse óbito, a paciente, que morava na vila Novo Remanso, foi internada na sexta-feira, dia 27. Entre os 26 infectados até o momento: 24 são de Itacoatiara, 1 é de Caapiranga e o outro mora em Manaus.

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, juntamente com técnicos da Fundação de Medicina Tropical, já estão em Itacoatiara fazendo algumas pesquisas no intuito de evitar que o surto se espalhe ainda mais.

Rogéria Aranha, secretária de Saúde de Itacoatiara, confirmou que os infectados comeram peixes antes dos sintomas aparecerem, mas explicou que ainda não é possível afirmar que esta foi a causa. Mesmo assim, a população vem sendo orientada a tomar todos os cuidados na hora de preparar os alimentos.

Marcelo Cordeiro, infectologista que desde 2008, vem estudando esta doença, e disse que a população não deve parar de consumir peixe e deve sempre seguir as orientações passadas pela equipe da vigilância epidemiológica.

FONTE 1NEWS

Fonte: Conexão Rondônia