Trágico: Menino katukina atropelado na BR- 364 morre no dia do indio

EXPOPIB

O menino David da Silva Souza, de 11 anos, da etnia Katukina, que foi
atropelado na BR-364, no dia 25 de março, e estava na Unidade de
Terapia Intensiva – UTI do Pronto Socorro de Rio Branco, morreu na
tarde desta terça-feira, 19, Dia do Índio.

Adriano Katukina, liderança da etnia, conta que as atividades do Dia do
Índio foram suspensas quando a notícia do falecimento chegou na Terra
Indígena. O corpo da criança segue de avião para Cruzeiro do Sul e será
enterrado na Terra Indígena.

A liderança pede justiça com relação ao caso. Ele conta que é o segundo
atropelamento com morte de indígena na BR 364 e afirma que quando a
rodovia foi feita passando por 18 quilômetros dentro da terra deles, o
acordo era ter orientação policial para os condutores e velocidade
máxima permitida de 40 quilômetros por hora, o que não é respeitado.

LEIA TAMBÉM

Batida de frente entre caminhão e carreta mata empresário na BR-364

Trágico: Adolescente brincava com irmã quando se afogou na piscina de clube

Rondônia: Pai arromba porta de quarto e encontra o filho morto na cama

“Milagre!”: mulher desmaia, cai em trilhos enquanto trem passa e é resgatada sem nenhum arranhão; veja vídeo


“Aqui passam até 120 quilômetros por hora por cima dos quebra- molas
e pode ter mais mortes. Quando a estrada foi feita fizemos acordo com
os governos do Estado e Federal e agora queremos a proteção que foi
garantida”, enfatiza.

David foi atropelado por um caminhão na BR-364, dentro da Terra
Indígena onde ele morava. Logo depois do acidente, o motorista José
Glaison Albuquerque Pontes, 38 anos, natural de Guajará, no Amazonas,
que não ficou no local nem prestou socorro à vítima, se entregou na
Delegacia Geral de Cruzeiro do Sul. Ele foi liberado logo depois de ser
ouvido pelo delegado Rafael Távora e não precisou pagar fiança.

O motorista disse ao delegado que não prestou socorro à vítima nem
ficou no lugar por medo já que muitas pessoas se aproximavam do local.
Ele afirmou que não conseguiu desviar do menino.

Adriano Katukina pede justiça também com relação ao condutor. “Vão
continuar matando índio e ninguém vai preso?”, questiona.

Fonte AC 24 Horas