Rondônia: Fronteira deixou dedos de Laryssa em figa e teria dito que queria a sensação de matar

EXPOPIB

Por Edmilson Rodrigues – Ronaldo Santos Lira, de 36 anos, vulgo “Fronteira”, por enquanto único suspeito de autoria do assassinato macabro e cruel registrado em Ouro Preto do Oeste (RO), no qual foi vítima a adolescente Laryssa Victória Pereira Rossato, de 17 anos, encontrada na noite deste domingo (20) morta e enterrada em um quintal de uma residência no Residencial Colina Park, à Rua José Jaime Oliveira Pinheiro, não quis prestar depoimento oficial sobre o motivo que o levou a matar a adolescente.

A hora que foi levado para o Hospital Municipal para passar por exame de corpo de delito para ser conduzido a Casa de Detenção às 23hs, ele comentou com um agente da Polícia Civil que tinha vontade de ter uma “experiência” para saber qual era a “sensação” de matar. No entanto, ele não deu detalhes nem prestou depoimento.

LEIA MAIS

RO – Mulher morre depois que caminhão avança preferencial e colide com moto na BR-364 

RO – Jovem estudante morre após mais de 30 dias internada

Blindadas que disputaram macho no ‘mano a mano’ são obrigadas a limpar todo o lixo da festa; veja vídeo

Por falta de funerária na cidade, mãe carrega filho morto no colo; veja vídeo

o trabalho da equipe de peritos da Politec que veio a Ouro Preto do Oeste na cena do crime revelou outro sinal assustador, o de que Ronaldo dos Santos Lira antes de enrolar o corpo em um cobertor e enterrar, fechou a mão direita de Laryssa em figa, forma de mão fechada e o dedo polegar enfiado entre o indicador e o dedo do meio, que simboliza supersticiosidade e proteção contra má sorte e forças maléficas.

AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA

O silêncio de Fronteira na Delegacia Civil, e a espera pela Audiência de Custódia na Vara Criminal que deve ocorrer ainda hoje, revelas claros sinais de psicopatia típico de crimes em que o autor não demonstra remorso, e espera se safar mesmo perante tantas evidências de que ele matou Laryssa.

No sábado, uma das garotas executadas em Ji-Paraná, em um banheiro, de 17 anos, foi encontrada com a mão em forma de figa, o assassino em Ouro Preto do Oeste imitou a atitude dos criminosos que cometeram o duplo assassinato.

EXAME TOXICOLÓGICO E DE CONJUNÇÃO CARNAL

Totalmente frio e indiferente, o suspeito deixou transparecer que tinha esse desejo de ver alguém morrendo, e também disse que não praticou relação sexual com a vítima. Entretanto, o delegado Niki Alves Locatelli solicitou exame de conjunção carnal e toxicológico no corpo da adolescente para saber se ela foi dopada, o resultado demora em torno de 10 dias para ser concluído pela Politec,

O corpo de Laryssa foi levado para Ji-Paraná na manhã desta segunda-feira para exame cadavérico, além das facadas os olhos da adolescente e partes do corpo estavam roxos, como se ela tivesse sido socada antes de ser definitivamente assassinada.

A INVESTIGAÇÃO – Vídeo mostra a menor sendo carregada, prticamente desorientada e sem forças, à pé na avenida Capitão Sílvio G. de Farias

 A Polícia Civil iniciou a investigação sobre o desaparecimento da adolescente ainda na madrugada de sábado, descobriu que Laryssa estava na companhia de Ronaldo e de mais dois rapazes, e colheu imagens do trajeto percorrido apenas pelo suspeito e a vítima, até quando ele a puxava à força a vítima na entrada do Colina Park.

Procurado pelos policiais civis, ele mentiu que tinha deixado Laryssa antes do início do loteamento, no cruzamento da Avenida Capitão Sílvio de Farias com a José Wensing, mas os investigadores não disseram a ele que tinham provas de que ele conduziu a menor até a casa onde mora sozinho.

Investigadores verificaram ainda no sábado à noite que o ex-candidato a vereador foi para um ponto localizado no centro da cidade tomar tereré, enquanto o corpo da menor estava enterrado no seu quintal, com roupas e o colchão queimado e a cova fresca coberta de cal.

Com a expectativa de que a menor pudesse estar viva, policiais continuaram seguindo os passos de Fronteira. No domingo, durante todo o dia ele agiu normalmente, mas era vigiado por que a casa não tem muros, os policiais de campana flagraram ele lavando o chão do quarto, uma fogueira improvisada com tijolos no quintal, e a terra fofa.

Com as provas em mãos, os policiais civis acionaram policiais militares para auxiliar na busca na residência que já estava sem ninguém, enquanto os PMs começaram a cavar os investigadores foram até a casa do pai de Fronteira prendê-lo, mesmo diante da mentira que ele sustentava.  

A família ainda não divulgou horário do velório e sepultamento, depende do tempo que o serviço funerário vai permanecer em Ji-Paraná.

NOTA DA REDAÇÃO

Ontem, o advogado Antonio Zenildo Tavares Lopes acompanhou a apresentação de Ronaldo dos Santos Lira na Delegacia Civil, e após a apresentação do suspeito aos policiais, e tomar conhecimento dos fatos e da atitude de Ronaldo, ele decidiu não representar a defesa do suspeito e deixou o caso.

A editoria do site Correio Central apurou que o advogado criminalista Odair José da Silva seria nomeado advogado do suspeito que ainda não prestou depoimento oficial e aguarda a audiência no fórum, a reportagem fez contato por mensagem e até o fechamento desta edição não conseguiu afirmar essa questão.

O certo é, que, ante tantas evidências e materialidade dos fatos, caso Ronaldo Santos Lira continue negando o crime a caneta da Justiça vai pesar contra ele, a não ser que o acusado tenha algo a revelar, o que não parece crível pela quantidade de provas elencadas pela Polícia Civil Judiciária.

Em 2016, Fronteira obteve 160 votos na campanha para vereador em Ouro Preto do Oeste. Bem articulado, ele não se desesperou quando foi informado que seria preso.