Quadrilha aplica golpe e trabalhador perde parcela do seguro-desemprego em Pimenta Bueno

gov acoes

O pimentense G.D.S. de 38 anos registrou na 9ª Delegacia de Polícia Civil em Pimenta Bueno, um boletim de ocorrência por estelionato. A vítima que tem direito ao seguro-desemprego, ao ir sacar a terceira parcela verificou-se que a mesma já havia sido sacada em outro Estado, ficando o mesmo sem poder usufruir do benefício.

O trabalhador foi até a unidade policial e relatou que recebe o benefício do seguro-desemprego, no valor de R$ 954,00 e que pegaria no dia 15 de fevereiro a terceira parcela, no entanto o homem foi informado de que seu valor já havia sido sacado. A vítima foi até agência da Caixa Econômica Federal e foi informado de que o pagamento da terceira parcela do benefício havia sido realizado em Goiânia(GO).

Entretanto, o mesmo declarou que não foi até Goiânia e nem forneceu seus documentos e cartão a qualquer outra pessoa. Ele relatou que, provavelmente, falsificaram seu cartão para efetuar o saque.

Procurado pela reportagem do site Conexão Rondônia, o Sistema Nacional de Emprego (SINE) de Pimenta Bueno informou que “se tratando de seguro-desemprego ser um benefício federal, recomenda-se que seja também registrado uma ocorrência na Polícia Federal, no caso de contestação de saque, o reclamante deve comparecer à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego, para que haja a apuração por parte do Ministério do Trabalho e Emprego, vale ressaltar que durante essa semana já foi registrado dois casos semelhante um na capital Porto Velho e o outro na cidade vizinha de Espigão do Oeste”.

Recomendações

covid

O titular do cartão deve guardá-lo em local seguro para que outra pessoa não venha a se apossar do mesmo e a senha deve ser decorada mentalmente, não devendo ser anotada em papéis ou qualquer outro local, muito menos deixada anotada junto com o cartão.

Oferta de Emprego ter atenção redobrada em correntes no WhatsApp, jamais fornecer número do CPF, entre outros documentos pessoais.

Outra medida de segurança é não pedir ajuda para pessoas desconhecidas que estejam no setor de autoatendimento das agências, devendo pedi-la apenas a empregados ou prestadores de serviço do banco, devidamente identificados com crachá.


covid

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.