Polêmica: Quase R$ 40 mil são arrecadados em campanha para as irmãs torturadas e queimadas. Houve briga pelo dinheiro.

EXPOPIB

Uma publicação na página social do Delegado Renato Morari levou a conhecimentos de todos os valores exatos arrecadados através de campanha e uma confusão que todo o dinheiro causou entre os familiares das meninas de 05 e 07 anos de idade torturadas e queimadas na zona rural de Rolim de Moura, na data de 26/10/2017.

O caso na época chamou a atenção de todos devidos a crueldade praticada suspeito identificado como “Mano Reis”, que matou a amante, mãe das menores, por asfixia na cidade de Santa Luzia do Oeste, onde Selma Alves morava, e em seguida, já na linha 180, lado sul, tentado matar as enteadas colocando fogo nas pequenas, que conseguiram correr e se esconder dentro de uma represa até a manhã do dia seguinte, quando foram, encontradas.

Devido ao grau de necessidade e as crianças ser de família pobre, parente e amigos, se uniram e realizaram uma campanha em prol das menores.

Sites, Jornais, TVs e Rádio também se uniram e ajudaram na divulgação, sendo que no início, houve-se uma pequena polêmica dito por algumas pessoas que não havia necessidade das doações, haja vista, que no hospital não estava faltando remédio. Mas que de imediato a reportagem gravou um vídeo com o Avô das meninas informando a real necessidade das doações.

A comoção foi tanta que pessoas até mesmo dos Estados Unidos realizaram doações, sendo que o total de R$ 39.400,00 (trinta e nove e quatrocentos reais) foram arrecadados para as crianças.

Segundo o Delegado Renato Morari, no decorrer do tempo, o avô das crianças, Sr. José Alves, começou a pedir altos valores sem justificativas, este valores foram negados.

Quem administrava o dinheiro, era Margarida, tia das meninas, que sempre que o Avô das crianças precisava de dinheiro, ela-o sacava o dinheiro e o entregava ao avô.

No decorrer do tratamento das crianças, infelizmente a mais nova de 05 anos, acabou vindo a óbito, sendo que apenas a mais velha está internada no Hospital Cosme e Damião, em Porto Velho, capital rondoniense.

Após o óbito da menor, os ânimos da família em relação ao dinheiro doados para as meninas, deram início a várias confusões e briga, fato que medidas tiveram que ser tomadas por parte da justiça.

Diante dos fatos lastimáveis, foi necessário tirar o dinheiro que estava na conta da Tia Margarida e para não ter nenhum problema, posteriormente foi decidido que a melhor solução seria depositar o dinheiro da doação em uma Conta Bancária Judicial e assim foi realizado, o valor restante de R$ 28.907,55 (vinte oito mil novecentos e sete reais e cinquenta e cinco centavos) foi depositada na referida conta judicial, colocando como responsável pelo dinheiro o avô José Alves que a partir de agora deverá solicitar a sua retirada ao Juiz da Comarca.

O Delegado Morari, alerta para que as futuras doações não sejam mais efetuadas na conta da senhora Margarida. O delegado agradeceu as inúmeras doações realizadas para as crianças.

 


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.