Peixes consumidos no Acre podem ser a causa da síndrome da urina preta, diz estudo


Três iguarias do cardápio do acreano podem ser extremamente nocivas à saúde, é o que dizem estudos preliminares. São os peixes pirapitinga, pacu-manteiga e o famoso tambaqui – de onde saem as costelinhas mais gostosas.

Os aquáticos seriam alguns dos responsáveis por causar a síndrome popularmente conhecida como “doença da urina preta”, também chamada de doença de Haff.

VEJA+ Rondônia: Homem que foi encontrado quando criança, há 32 anos, abandonado as margens da BR-364, procura sua mãe biológica

Dois casos da doença foram identificados em fevereiro, em Pernambuco, sendo que um deles evoluiu para óbito. A veterinária Priscyla Andrade, de 31 anos, morreu em um hospital do Recife.

Sua irmã, Flávia Andrade, também foi internada no hospital da capital pernambucana, mas se recuperou e já está em casa. As duas comeram um peixe da espécie arabaiana, conhecido como “olho de boi”, que também faz parte do grupo – além do badejo.

Uma toxina encontrada nos nadadores pode ser a responsável por gerar danos no sistema muscular e em órgãos como rins.

Como é a doença da urina preta?

Ela se constitui em um tipo de rabdomiólise, nome dado para designar uma síndrome que gera a destruição de fibras musculares esqueléticas e libera elementos de dentro das fibras (como eletrólitos, mioglobinas e proteínas) no sangue.

O nome foi dado em razão da descoberta da doença em um lago chamado Frisches Haff, na região de Koningsberg em 1924. O território, à beira do Mar Báltico, pertencia à Alemanha, mas foi incorporado à Rússia posteriormente, constituindo um enclave entre a Polônia e a Lituânia.

A doença de Haff gera uma rigidez muscular. Além disso, frequentemente ocorre como consequência o aparecimento de uma urina escura em função da insuficiência renal, razão pela qual essa expressão é utilizada para se referir à enfermidade.

Em artigo sobre a doença, médicos do Hospital São Lucas Copacabana explicam que ainda não houve confirmação sobrea natureza da toxina constante nos peixes cuja ingestão provocou a doença. Em alguns livros, ela está associada ao envenenamento por arsênico.

“O motivo que transformaria peixes em alimentos tóxicos não foi totalmente esclarecido. Mas, pesquisadores trabalham com duas hipóteses: má conservação do alimento antes da ingestão humana ou que os animais consumam algum tipo de alga que pode provocar tal reação”, diz um trecho da reportagem do site O Dia.

Procurado pela reportagem do ContilNet, o biólogo e consultor ambiental Rodrigo Gomes explicou que as causas da doença de Haff ainda são obscuras, mas defendeu que o consumidor deve se preocupar com a procedência do pescado por conta de outros problemas à saúde.

“A síndrome é associada à ingestão de pescados e crustáceos. No Brasil, em especial na Região Norte, os peixes representam a fonte de proteína das populações tradicionais (indígenas e ribeirinhos), além disso é um alimento nutricionalmente bem avaliado, fonte de ácidos graxos poli-insaturados e ômega-3. Porém, se deterioram rapidamente e podem transmitir zoonoses parasitárias quando consumidos crus ou insuficientemente cozidos”, destacou.

Rodrigo é consultor ambiental/Foto: Reprodução

“Os peixes e moluscos são hospedeiros naturais de grande variedade de parasitas, fato que é investigado por um ramo específico da Biologia, a Ictioparasitologia (estudo dos parasitas de peixes). Em geral, estes parasitas podem ser eliminados na limpeza e cozimento adequados do alimento. Peixes como tambaqui, pirapitinga entre outros que se alimentam de crustáceos apresentam maiores chances de infecções parasitárias”, continuou.

Na ocasião, Rodrigo também disse que o avanço das pesquisas deve contribuir para um esclarecimento mais detalhado da situação.

Gomes é da Catraia Soluções Ambientais/Foto: Reprodução

“Para além da Síndrome de Haff, o consumidor deve se preocupar com a procedência do pescado por conta de outros problemas a saúde, que o consumo de itens de origem desconhecida ou preparados de forma incorreta, possam causar. Reforçamos o investimento em pesquisas, em fiscalização, em adoções de políticas públicas efetivas que contribuam para o melhoramento da produção do pescado, manutenção dos estoques naturais (pescado capturado em rios e lagos) e a atenção da população ao consumir peixes, moluscos e crustáceos”, finalizou.

Fonte https://contilnetnoticias.com.br/