Número de casos de mortes de grávidas por covid-19 dispara em Rondônia


Dados levantados pelo governo estadual e obtidos pelo Extra de Rondônia mostram uma realidade desconcertante: o índice de letalidade da pandemia entre mulheres gestantes sofreu aumento acima da média se comparado com outros grupos sociais. O estudo foi traçado pela Agência Estadual de Vigilância em Saúde (Agevisa) e traça o cenário da mortalidade entre gestantes desde 2016. Os indicadores apontam que nestes cinco anos a quantidade de falecimentos entre as grávidas no Estado oscilou de 10 a 19 ocorrências por ano tendo como média 15 mortes ao ano, ou 1,25 ao mês. 

LEIA TAMBÉM

Interior de RO – Suspeito de matar mulher é assassinado a tiros em menos de 24h

Entregador aceita pagamento com “LOVE” e viraliza na internet; veja vídeo

Rondônia – Caseiro de fazenda morre baleado ao sair dizendo que ia caçar

Rondônia: Adolescente de 15 anos morre após sofrer forte dor de cabeça

Esposa furiosa tortura amiga de infância com tesoura após suposta traição do marido; veja vídeo

Rondônia: Empresário é encontrado morto pela esposa

 Em 2020, dos 18 óbitos maternos registrados, quatro tiveram a Covid-19 como causa apontada em exames de laboratório.  Em termos percentuais o dado indica que são 22,2% dos casos. Destas mortes, três ocorreram na capital e uma em Guajará-Mirim. A realidade em 2021 é aterradora. Apenas nos primeiros quatro meses do ano já foram registrados 21 óbitos de gestantes, sendo que 17 deles foram causados pela doença,  o que em termos percentuais representa 81% das ocorrências,  ou seja, quatro vezes o índice do ano passado. A média de mortes de gestantes este ano está em 5,25 ao mês, e mantido o índice podemos chegar a um total de 63 óbitos maternos   o que representa um aumento de quase quatro vezes com relação a 2.020. 

As mortes deste ano aconteceram em várias cidades: Seringueiras (1), Presidente Médici (1), Rolim de Moura (2), Nova Mamoré (1), Ouro Preto do Oeste (1), Ji-Paraná (2), Jaru (1), Vilhena (2), Porto Velho (5) e Ariquemes (1). Comparando os indicadores por faixa etária entre os dois anos chega-se aos seguintes números: de 15 a 19 anos não houve nenhum caso em 2.020 e dois este ano; de 20 a 29 anos foi uma morte no ano passado e cinco este ano; e dos 30 a 39 anos foram três casos em 2.020 e dez entre janeiro e abril passados. 

Em virtude da realidade estampada pelo estudo, a Agevisa expediu alerta às secretarias municipais de saúde para intensificação de campanhas informativas e de prevenção voltadas a este público específico, além de fazer gestões junto ao governo para promover vacinação deste grupo social.

 Confira o anexo abaixo,  a alerta sobre mortalidade materna: AQUI

FONTE EXTRA DE RO