DOE SANGUE

queimadas


Menina com doença degenerativa deixa hospital após 12 anos

Após 12 anos internada no Hospital e Pronto Socorro da Criança da Zona Oeste de Manaus (AM), Letícia Kerollen de Souza Oliveira, de 14 anos, recebeu alta médica da unidade.

Letícia foi diagnosticada com Atrofia Muscular Espinhal (AME) quando tinha apenas 1 ano e 7 meses de vida.

“Eles [os médicos] falavam que ela nunca ia poder sair da UTI. Só sairia se ela tivesse cuidado domiciliar, que na época não existia. Foi um momento muito difícil para nós”, contou a mãe Irlene de Souza, sobre a descoberta do diagnóstico.

A doença, que é irreversível, exige diversos cuidados especiais, como aparelho de respiração, sugador, sonda alimentar e fraldas. Além disso, o tratamento exige que o paciente seja acompanhado por profissionais da área terapêutica, fonoaudióloga, psicológica e de enfermagem.

Em casa, a mãe dará continuidade ao tratamento de Lele – como é chamada pelos familiares –, em Manaus, com o auxílio do programa Melhor em Casa, que fornece serviços de uma equipe multidisciplinar.

“É realização de um sonho, graças a Deus e a todos do hospital que cuidaram dela desde bebezinha”, declarou a mãe.

vacina em dia

Segundo a técnica em enfermagem Núbia Belfort, Letícia saiu poucas vezes do hospital. Com o fim da internação na UTI, a equipe médica acompanhou a menina uma vez ao shopping e à igreja durante o Natal passado. Ela também teve pequenos passeios em frente ao pronto-socorro do hospital.

“A gente nunca pensou que esse dia [da alta] fosse chegar. Eu trabalhei com ela desde quando chegou na UTI. Para mim, ela é como uma filha”, relatou Núbia, emocionada.

“Ainda pequena, ela dizia que queria sair, ver o sol e fazer churrasco”, acrescentou.

Fonte G1 AM / Metrópoles