DOE SANGUE

queimadas


Bebê que sofreu reação alérgica tem piora no estado de saúde

A pequena Helena, internada no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugol) após sofrer reação alérgica, passa por momentos desafiadores. A bebê de 1 ano apresentou complicações nos rins e infecção pulmonar. De acordo com os pais, o caso é grave. O estado de saúde dela vem se complicando desde a madrugada dessa quinta (23/9).

Leia mais

Reviravolta no caso Tatila Portugal: Laudo revela suicídio um ano depois e MP-RO pede liberdade de cantor que era acusado de feminicídio

Interior de RO – Trabalhador morre após ser atingido por pedaço de madeira

Veja os processos seletivos abertos em Rondônia na área da educação

Governo confirma mais 35 casos da variante Delta em nove cidades de RO

“Peço que suas orações sejam intensificadas, pois é dessa forma que nós podemos lutar” comunicaram Hugo Cristiano e Luana, pais de Helena.

A família pede que conhecidos não liguem no Hospital para pedir informações, pois isso pode atrapalhar o trabalho dos servidores.

O médico responsável pelos rins avaliou Helena nesta sexta (24/9).

vacina em dia

“Como ela teve muitas queimaduras, corpo retém líquido para preservar os órgãos e falta líquidos para os rins. Ela já foi medicada para fazer com que os líquidos cheguem nos rins e aumente o fluxo sanguíneo também, facilitando essa chegada”, disse Hugo.

Foram realizados exames para detectar possíveis alergias a medicamento. Enquanto isso, a equipe do hospital administra antibióticos para a infecção no pulmão.

Segundo os médicos, Helena vem reagindo bem aos medicamentos. “Precisamos orar para que continue assim e saia dessa fase crítica”, completa o pai.

O drama de Helena teve início há cerca de um mês, quando a bebê apresentou espamos. Após exames, o médico receitou o antiepilético Lamotrigina. A dosagem inicial era baixa e foi aumentando aos poucos. Helena apresentou quadro febril persistente.

“Levamos numa UPA em Anápolis e a médica disse que era virose. Em seguida, manchas apareceram na pele dela. Levamos na UPA de novo e disseram que era rosácea, passando mais um remédio e antialérgico”, relata Hugo.

Na quinta-feira (9/9), várias bolhas surgiram na pele de Helena. O médico que a acompanhava, no entanto, afirmou se tratar de um processo natural.

“Tudo o que fizemos foi de acordo com os conselhos médicos”, disse Hugo. Após piora nas lesões, os pais de Helena a levaram para o Hospital de Queimaduras de Anápolis. “A médica de lá mandou internar assim que a viu. Diagnosticaram o quadro como sendo consequência da Lamotrigina”, pontua o pai de Helena.

A menina precisou passar por várias raspagens na pele e procedimentos de hidratação. Segundo os médicos, é provável que a pele dela fique com marcas para o resto da vida. “Disseram que não estão pensando nas sequelas ainda. Que a prioridade é mantê-la viva.”

fonte metropoles